Leitura

E quando aparecer o supremo Pastor, 
recebereis a coroa eterna de glória. 

Leitura

Volta hoje o tema da penitência, no sentido de conversão. Outrora, até os pagãos, como os habitantes de Nínive, ao ouvirem a palavra de Deus, se converteram. Hoje, não esperamos outros sinais do céu; é sempre essa mesma palavra que é para os homens de todas as gerações o grande sinal. Para ser “sinal”, a Palavra, o Verbo, o Filho de Deus, fez-Se homem e falou no meio dos homens, em palavras humanas, para Se revelar e revelar o Pai aos humanos. 

Leitura

A liturgia dos primeiros dias da Quaresma dá-nos as grandes linhas para a vida cristã nesta preparação pascal. A primeira leitura de hoje apresenta a palavra vinda de Deus como força portadora de vida, capaz de produzir em nós uma renovação profunda. A palavra de Deus é o grande alimento deste tempo de jejum quaresmal. A Palavra de Deus é, em última análise, o próprio Cristo, que saiu do Pai e veio ao mundo para manifestar a vontade do Pai.

Leitura

Depois dos quatro dias de entrada na Quaresma na semana anterior, começaram ontem a conta-se os quarenta dias simbólicos, tantas vezes referidos na Sagrada Escritura, mas agora como preparação para a Páscoa. Neles a Igreja retoma os quarenta anos do povo de Deus no deserto a caminho da Terra Prometida. Neste Deserto quaresmal, o alimento celeste que dará força ao povo de Deus não é já o maná, mas, a sua Palavra, que logo desde o início deste tempo, assim aparece resumida: “Sede santos”. E as formas de santidade logo se concretizam nas diversas formas de relação com o próximo.