Leitura

O Segundo Livro dos Macabeus não é a continuação do primeiro; é antes uma série de episódios da primeira parte da luta narrada no livro anterior, apresentados de maneira empolgante, própria para comover o leitor. Hoje lemos o martírio de Eleazar, que preferiu morrer a tomar uma atitude fingida e equívoca.

Leitura

Começamos hoje a leitura do Primeiro Livro dos Macabeus. O livro conta a resistência que o povo de Deus teve de fazer contra o rei pagão, que, no princípio do século II antes de Cristo, quis suprimir a religião do Deus verdadeiro e substituí-la pelo paganismo. Foi uma época providencial, que, no meio da perseguição, se tornou ocasião para fortalecer a fé no Deus único e verdadeiro. O nome de Livro dos Macabeus provém de Judas Macabeu, um dos heróis do livro, cujo apelido passou a toda a sua família, toda ela notável nesta narração.

Leitura

Esta leitura é um poema em louvor da mulher valorosa. Com o exemplo da mulher forte, a “mulher de valor”, a liturgia de hoje quer apresentar-nos uma lição de fidelidade ao longo de toda a vida. A Igreja é esta mulher de valor, fiel e laboriosa, à espera do seu Senhor; e, na Igreja, cada um de nós, os seus filhos, o há-de ser também.

Leitura

A leitura refere-se, em linguagem poética, à noite da Páscoa antiga, quando, no Egipto, o Senhor libertou o seu povo e o fez atravessar a pé enxuto o Mar Vermelho. A Páscoa de Jesus Cristo, que é a Palavra de Deus encarnada, realizou a libertação definitiva na Páscoa da nova e eterna Aliança. E é nesta nova Páscoa, a de Cristo, que a Páscoa antiga encontra a sua plena significação.